Paulo Dimas, presidente do TJSP, diz que inteligência artificial apoia juízes e assessores diretos para tomada de decisões mais assertivas

17/07/2017 | 2 min. de leitura

A Justiça brasileira vive uma nova onda de transformação digital. Considerado uma das Cortes mais produtivas do País, com recorde no Índice de Atendimento à Demanda (IAD), o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) está preocupado em inovar e garantir mais agilidade às suas atividades.

Durante visita à sede da Softplan, em maio, o presidente da Corte paulista, desembargador Paulo Dimas de Bellis Mascaretti, juízes-assessores e gestores do Tribunal conheceram soluções disruptivas para a inovação na Justiça. As novas tendências se baseiam em Computação Cognitiva, Inteligência Artificial, Ciência de Dados, Big Data e Analytics.

:Leia mais:
Big Data no Judiciário: como a análise de dados pode tornar a Justiça mais ágil

O TJSP é o maior Tribunal da América Latina e usa o Sistema de Automação da Justiça (SAJ), desenvolvido pela Softplan, para gerenciar os processos judiciais que tramitam em primeira e segunda instâncias.

Vídeo: confira o que o presidente do TJSP falou sobre inovação na Justiça e a nova onda de transformação digital

“Estamos investindo em planejamento, avanços, modernização. E todos os projetos que vimos aqui e que estão sendo desenvolvidos vão trazer um resultado muito positivo para aquilo que fazemos e que gostamos de fazer, que é trabalhar pela paz social”, conta o presidente do TJSP.

A Ciência de Dados é uma das principais tendências para a inovação na Justiça e para a nova transformação digital do Judiciário. Por meio de uma enorme análise de informações, é possível planejar e tomar decisões muito mais assertivas. A análise detalhada de dados também promove uma agilidade maior à Justiça.

Inovação na Justiça: Assistente Digital do Magistrado

Uma das soluções apresentadas à comitiva da Corte paulista traz a Computação Cognitiva como aliada ao trabalho dos juízes. O Assistente Digital do Magistrado promete conferir mais agilidade ao trabalho de decisão judicial. Com o uso da inteligência artificial, pode-se encontrar padrões e modelos nas sentenças para promover apoio à decisão dos juízes.

“Esses mecanismos que nós vimos vão possibilitar que, principalmente, aquele trabalho de relatório, de buscar jurisprudência, de pesquisa, o trabalho de organização da decisão fique muito mais simples e fácil”, argumenta Paulo Dimas.

:Leia mais:
Soluções de Computação Cognitiva são apresentadas a Ministérios Públicos
Vídeo: confira como foi o Innovation Day MPs

Seus comentários são sempre muito bem-vindos. Comente!

Este espaço destina-se às repercussões sobre notícias e artigos publicados no SAJ Digital. São de responsabilidade de seus autores. Não servem como abertura de chamados e atendimentos para o portal e-SAJ.

Leia também

Receba nossas novidades por e-mail:

Fale com o
especialista
Desenvolvido por: Linkedin Instagram