Programa Justiça Bandeirante, do TJSP, vai capacitar servidores para boas práticas com processo digital

Programa Justiça Bandeirante, do TJSP, vai capacitar servidores para boas práticas com processo digital

programa-justiça-bandeiranteDepois de se tornar 100% digital, o TJSP lança o programa Justiça Bandeirante. Com ele, servidores, juízes e magistrados renovarão seus conhecimentos para potencializar o uso do sistema de acompanhamento e gerenciamento dos processos.

O projeto possibilitará que todos os usuários adotem plenamente a tecnologia da forma mais produtiva e contribuam à efetiva prestação jurisdicional. O programa foi lançado nesta terça-feira (15). Com o lema Explorando os Sistemas, Conquistando Produtividade, o Justiça Bandeirante tem calendário de capacitações constantes e gradativas. O programa passará pelas 10 regiões administrativas (Grande São Paulo, Araçatuba, Bauru, Campinas, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santos, São José do Rio Preto, São José dos Campos e Sorocaba) para que as orientações sobre as melhores práticas de gestão de processos digitais do Sistema de Automação da Justiça (SAJ) alcancem a todos os integrantes do TJ.

Os ciclos dos treinamentos se iniciam com a aula magna do presidente Paulo Dimas Mascaretti. Na sequência, ocorrem os eventos regionais que visam a potencialização das funcionalidades dos sistemas, a criação de um fórum para o compartilhamento de experiências entre os usuários e culmina na disseminação das melhores práticas. Para Maria Cristina Bobadilla, coordenadora de Capacitação de Primeira Instância, o Justiça Bandeirante construirá formas de gerenciamento e execução do trabalho que aumentarão a produtividade e garantirão mais eficiência aos serviços.

Além disso, com a identificação das dificuldades dos usuários, será possível ajustar as rotinas para a adoção plena das funcionalidades do SAJ. ”Teremos a oportunidade de maximizar as melhores práticas, em forma de capacitação e produção de conteúdo, de modo a proporcionar o máximo de produtividade às unidades no uso dos sistemas”, comenta Rafael Stabile, gerente de Operações da Softplan, que desenvolve o SAJ em conjunto com o tribunal.

Eficiência do SAJ

A cerimônia de lançamento foi transmitida por videoconferência para todos os juízes diretores das RAJs. Confira aqui o que o presidente Paulo Dimas disse aos serventuários.

“Nos últimos 10 anos, o Tribunal de Justiça de São Paulo vem passando por um avançado projeto de informatização. De lá para cá, o Judiciário paulista avançou rumo a uma revolução, investindo em tecnologia para estar cada vez mais próximo dos cidadãos. As sucessivas gestões dão continuidade aos projetos, comprovando que é possível sair de uma condição adversa para estar à frente das melhores práticas de inovação na Justiça.

A revolução que o Tribunal vive hoje começou há mais de uma década. Em 2006, os milhões de processos do TJSP tramitavam em diferentes sistemas que não se comunicavam entre si. Seguindo rigorosamente o seu Planejamento Estratégico, durante esta última década, o Tribunal unificou os sistemas e definiu o SAJ como solução para todas as competências e instâncias do Judiciário paulista.

O avanço neste período, em termos de qualidade na prestação jurisdicional, é notório. Desde 2010, os índices de atendimento à demanda e de produtividade de servidores e magistrados crescem substancialmente, acima da média do conjunto dos outros tribunais de grande porte no Brasil.
O resultado culminou no último 30 de novembro: desde então, o considerado maior tribunal do mundo recebe apenas ações em meio digital. A entrada de processos em papel está banida do TJSP e os benefícios alcançados já superam em muito os investimentos aplicados.

Mas é agora que os resultados se consolidam. Tão importante quanto modernizar e implantar o processo digital em todas as unidades judiciárias é capacitar e treinar continuamente os usuários. Por isso, o Tribunal de Justiça de São Paulo, lança agora o projeto Justiça Bandeirante. Todas as pessoas que compõem o quadro funcional do TJ, dentre elas os mais de dois mil magistrados de primeiro grau, os 360 desembargadores e cerca de 50 mil servidores passarão por treinamentos para a potencializar a utilização do SAJ, explorar os sistemas e conquistar ainda mais produtividade.

É tempo de reconhecer a maturidade do sistema de acompanhamento processual e proporcionar aos seus usuários, por meio de esforços e reforços necessários, a utilização integral e plena de suas funcionalidades. Com a exploração máxima do SAJ, ganham os servidores e magistrados. Mas, sobretudo, quem ganha é o cidadão, que terá a seu dispor uma Justiça mais efetiva, próxima e rápida.

Para alcançarmos a produtividade máxima, o programa conta com Comitê vinculado diretamente à Presidência, composto pela Assessoria da Presidência para Assuntos de Informática, Corregedoria Geral da Justiça e membros da Secretaria da Tecnologia da Informação, Secretaria da Primeira Instância e Secretaria Judiciária. O Justiça Bandeirante será desenvolvido e executado pela STI 8 – Diretoria de Capacitação de Sistemas, mediante a utilização de recursos já existentes, sem adição de custos ao Tribunal de Justiça. Os resultados serão monitorados com levantamentos constantes nos relatórios gerenciais do Tribunal de Justiça, com aprimoramento contínuo dos sistemas e do material de capacitação.

O Justiça Bandeirante inspira-se nos valentes desbravadores paulistas, que exploraram o interior brasileiro e alavancaram a economia da colônia. Foram os grandes responsáveis pela conquista de territórios, inclusive quando a região Centro-Oeste passou a pertencer ao país.

Agora é hora de desbravar os sistemas, explorar todas as funcionalidades do SAJ para conquistar ainda mais eficiência e produtividade. Vamos potencializar nossas boas práticas para prestar uma Justiça mais célere e cada vez mais acessível a todos os cidadãos.”

Comentar

Seu e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios são marcados *