Inovações para Ministérios Públicos: evento aborda boas práticas

Inovações para Ministérios Públicos: evento aborda boas práticas

Inovações para Ministérios Públicos

A adoção do processo digital pelas instituições de Justiça agora promove um novo momento para os operadores do Direito: a inteligência artificial. Essa nova onda de tecnologia especializada foi destaque em evento sobre inovações para Ministérios Públicos.

Nesta semana, promotores e procuradores de Justiça estão reunidos em Gramado (RS) para o XIV Congresso Estadual do Ministério Público. O tema central desta edição é discutir o futuro da instituição, apontando tendências e caminhos ainda mais eficazes para uma prestação jurisdicional de qualidade. Já que se vive atualmente uma Quarta Revolução Industrial, as inovações para Ministérios Públicos foram destaque.

A importância de uma renovação foi reforçada pelo presidente da Associação do Ministério Público do Rio Grande do Sul (AMP/RS), Sérgio Harris. Para ele, os profissionais de hoje certamente são responsáveis por direcionar um futuro melhor. “A coragem é a primeira das qualidades humanas porque garante todas as outras”, incentivou, citando Aristóteles.

Inovações para Ministério Públicos: aplicação da ciência de dados

A inteligência artificial é uma das principais inovações para Ministérios Públicos. Por meio dela, é possível antecipar cenários e tomar decisões mais assertivas, baseadas em dados. A ciência de dados aplicada à Justiça foi o tema da palestra de Tiago Melo, especialista em inovações para a Justiça.

Inovações para Ministérios Públicos - Tiago Melo

“Quantas manifestações repetitivas um promotor precisa dar em despachos de magistrados?”, questionou Melo. Com este exemplo, foi possível apresentar novas formas de trabalho que têm auxílio de robôs que automatizam tarefas repetitivas. Soluções desenvolvidas pelo Laboratório de Ciência de Dados da Softplan (Lab da Justiça) e validadas com operadores do Direito podem reduzir consideravelmente o tempo que um promotor despende nesta tarefa com o apoio de machine learning (aprendizado de máquina).

“O robô filtra as principais informações e sugere peças previamente preenchidas já com indicações da legislação. Além disso, ele aprende os padrões de trabalho de cada profissional e atua também com base em históricos. Caberá, então, ao membro do Ministério Público aprovar ou não em apenas um clique”, explica o especialista.

Decisões que garantem agilidade operacional

Diante do imenso volume de dados que circula nos Ministérios Públicos, é cada vez mais urgente a necessidade de estruturar tanta informação. Ciência de dados, Business Intelligence (BI), analytics já estão presentes no dia a dia dos profissionais do Direito. A partir de painéis detalhados, a gestão da instituição tem acesso a gráficos e números reais. Com essa tecnologia aplicada à Justiça, acabaram-se as decisões tomadas com base em intuição.

Ou seja, é possível identificar tendências para o futuro com base no histórico da instituição e alguns fatores externos. Estes números têm impacto direto no orçamento, por exemplo. Afinal, os gestores terão muito mais assertividade na estratégia. “Os Ministérios Públicos podem identificar as promotorias com mais demanda e criar estratégias mais eficazes”, destacou Melo.

SAJ na mídia

A participação de Tiago Melo foi destaque na Rádio Gaúcha e no portal da Associação do Ministério Público do Rio Grande do Sul (AMP/RS).

Seus comentários são sempre muito bem-vindos. Comente!

Este espaço destina-se às repercussões sobre notícias e artigos publicados no SAJ Digital. São de responsabilidade de seus autores. Não servem como abertura de chamados e atendimentos para o portal e-SAJ.

Comentar

Seu e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios são marcados *