Ordem cronológica de julgamento do novo CPC: o que muda?

14/06/2016 | 3 min. de leitura

Em artigo anterior abordei a ordem cronológica de julgamento, tal como tinha sido originalmente inscrita no novo Código de Processo Civil. Na época, ainda antes da entrada em vigor da lei, em março deste ano, o texto legal indicava a obrigatoriedade dos julgadores considerarem a data que o processo foi concluso para sentença. No entanto, poucos dias antes da vigência da nova legislação, o dispositivo que tratava do tema foi alterado. Acompanhe, agora, o que muda na Ordem cronológica de julgamento do novo CPC.

Vale a leitura das duas versões do caput do artigo para um claro entendimento:

Texto original: “Art. 12.  Os juízes e os tribunais deverão obedecer à ordem cronológica de conclusão para proferir sentença ou acórdão.”

Texto atual: “Art. 12.  Os juízes e os tribunais atenderão, preferencialmente, à ordem cronológica de conclusão para proferir sentença ou acórdão.”

Ainda que eu não tivesse usado o negrito para destacar,  é fácil perceber a sutileza da mudança gramatical versus o grande impacto nos seus efeitos práticos. Mesmo com todas as exceções expressas no §2º, e que não foram alteradas, o legislador afrouxou a norma.

ordem cronológica de julgamento no novo CPCLeia outros artigos de Alexandre Golin
Resoluções do CNJ; por que a interoperabilidade dos dados é essencial para o avanço da Justiça?
Desafios do peticionamento eletrônico em tempos de processos digitais?

As críticas direcionadas a ideia foram contundentes a ponto de tornar seu cumprimento opcional ao invés de obrigatório. De fato, como foi apontado por este mesmo autor, o objetivo geral é louvável, mas na prática poderia se mostrar de difícil aplicação.

Acredito que a mudança na lei foi prematura. Pelo menos um tempo de experimentação deveria ter sido proporcionado, possibilitando o desenvolvimento de práticas que poderiam ser adotadas de forma mais ampla, de acordo com sua adequação à realidade de cada órgão.

As questões que se apresentam após a reforma do texto são interessantes. Se o atendimento a ordem cronológica de julgamento no novo CPC foi tornado opcional, o dispositivo que o determina ainda faz sentido? É possível cobrar sua execução de alguma forma?

Sobre a primeira questão, particularmente creio que o espírito da lei perdeu bastante força a partir do momento que sua aplicação se tornou opcional. Doutrinadores renomados, como Teresa Arruda Alvim Wambier, vão no mesmo sentido, entendendo que, apesar da sua suavização, a regra ainda existe. Segundo a autora apenas foi aumentado o número de exceções, sem que isso atribua ao juiz a possibilidade de deliberadamente descumprir a fila ordenada das demandas.

É uma visão válida, até porque o §1º se manteve intacto: “A lista de processos aptos a julgamento deverá estar permanentemente à disposição para consulta pública em cartório e na rede mundial de computadores.” Ou seja, o juiz até pode não cumpri-la, mas a lista deve estar lá, pública e amplamente acessível para os jurisdicionados.

Assim, sabendo que há uma publicação oficial que delimita e ordena os processos aptos para julgamento, surge o segundo questionamento exposto. Como exigir o cumprimento da lista? A autora citada acima vai no sentido de que “a sua pura inobservância, sem motivação específica pelo juízo competente, ensejará mandado de segurança e medidas correcionais cabíveis.”

Novamente questões de ordem prática pesam sobre o tema. Não parece factível que o juiz motive o julgamento de processos fora da ordem. Trata-se de medida circunstancial, na qual importa muito mais a finalização do processo escolhido do que a justificativa por seu julgamento ao invés de outros.

Pelo lado do jurisdicionado, que aguarda o julgamento do seu processo, também não parece tão simples monitorar a fila de julgamento e exigir seu cumprimento. Mesmo que possua formas de avaliar em tempo real os processos que compõem a fila, e que eventualmente a furaram, sejam os que se enquadram nas exceções do §2º, sejam os que o magistrado, por algum motivo, decidiu julgar antes, as medidas cabíveis contra o ato (omissivo) parecem de difícil prova e sustentação.

Enfim, em breve haverá uma lista pública e, certamente, cidadãos sedentos pelo fim de suas demandas no Poder Judiciário. Resta aguardar os resultados.

Referências:

WAMBIER, Teresa Arruda Alvim. Ordem cronológica – Preferencialmente.

Seus comentários são sempre muito bem-vindos. Comente!

Este espaço destina-se às repercussões sobre notícias e artigos publicados no SAJ Digital. São de responsabilidade de seus autores. Não servem como abertura de chamados e atendimentos para o portal e-SAJ.

Leia também

Receba nossas novidades por e-mail:

Fale com o
especialista
Desenvolvido por: Linkedin Instagram